A Suzano inicia nesta segunda-feira, 30 de agosto, mais uma turma do Formare em sua unidade de Mucuri, no Extremo Sul da Bahia. No Dia do Voluntariado, comemorado neste sábado, 28 de agosto, a empresa evidencia essa importante iniciativa, que é desenvolvida pelo Programa Voluntariar em parceria com a Fundação Iochpe. O projeto, que capacita jovens em situação de vulnerabilidade social para educação profissional e o mercado de trabalho, conta com o apoio de voluntários(as) da empresa, que recebem capacitação da Fundação Iochpe e compartilham seu talento e experiência, utilizando a educação como instrumento principal para esta mudança e plantando o futuro.

O curso oferecido pelo Formare na unidade Mucuri é de Operador de Processo de Produção. Dentre os benefícios oferecidos para os participantes estão a capacitação profissional com carga horária média de 1.200 horas, uniforme, material escolar e seguro de vida. Durante o período de pandemia, as aulas serão realizadas excepcionalmente em formato virtual. Serão, ao todo, dez meses de curso entre disciplinas práticas e teóricas, proporcionando maior oportunidade de aprendizado e crescimento profissional para o mercado de trabalho.

Desde a criação do projeto, em 2005, a Suzano já formou 692 jovens em 37 turmas em todo o Brasil. Em Mucuri, o Formare já qualificou 260 jovens em 13 turmas. Do total de formandos na Bahia, 173 (67%) jovens que passaram pelo projeto estão inseridos atualmente no mercado de trabalho, sendo que 83 (32%) trabalham na Suzano. Laiane Santos, 22 anos, é uma das formandas que foram contratadas pela Companhia. Moradora da comunidade quilombola de Volta Miúda, em Caravelas, ela fez o curso em 2018, passou pelo estágio, trabalhou como auxiliar de produção e hoje é a primeira mulher operadora de área da caldeira de recuperação química da Unidade Mucuri.

“Sempre foi um sonho trabalhar na Suzano e desde o primeiro momento fiquei encantada. O Formare foi uma escola e hoje é muito gratificante olhar para trás e ver como cresci até ser a primeira mulher a ocupar o meu cargo. É uma forma de mostrar que não tem nada que as mulheres não possam fazer. Minha dica é: se você quer, vá atrás, se esforce, mostre seu potencial com brilho nos olhos. A vida que a gente quer depende do que a gente faz, é uma frase que aprendi no Formare e levo para sempre”, afirma Laiane.

Para Laiane Santos, o aprendizado com os voluntários vai muito além da parte técnica. “A minha relação com os voluntários do Formare foi maravilhosa. Eles ensinam muito mais do que processos, vivências e experiências na fábrica. Eles nos passam ensinamentos de como lidar com pessoas, como se comportar no ambiente profissional, orientam e ajudam diante das dificuldades. Muitos voluntários marcaram a minha trajetória, tenho uma enorme gratidão a todos”, diz Laiane.



Deixe seu Comentário